Chapada dos Veadeiros: um mergulho no paraíso

06.08.2019 - 18:08


Viagens

Influenciadora Polli Olivo desbrava o centro-oeste de Goiás, num roteiro repleto da mais pura energia

Era Um sonho antigo, que vinha sendo cultivado para realizar na época certa. E foi agora. A influenciadora Polli Olivo resolveu que era chegada a hora de conhecer a Chapada dos Veadeiros, na região centro-oeste do Estado de Goiás, para ficar muito mais perto da natureza nos dias que antecediam o seu aniversário – comemorado em 3 de agosto. E se deu de presente uma viagem ao paraíso. Ao Alto Paraíso de Goiás.

No meio do nada e de um silêncio poético, o início de um programa encantador, repleto de energia pulsante . Foto: Arquivo pessoal/Divulgação

O roteiro começou por Florianópolis, num voo até Brasília. Depois de uma breve escala pra conhecer os pontos turísticos e políticos da Capital Federal, assumiu a direção de um carro alugado e pegou a estrada num trajeto de aproximadamente 230 quilômetros. Alto Paraíso é uma das portas de entrada para a Chapada dos Veadeiros, um lugar conhecido pela sua natureza ímpar – muita seca e muita água num mesmo cenário – e pela energia que emana, instigante e toda particular –, o que atrai principalmente esotéricos e curiosos por viver experiências inclusive sobrenaturais. “Nem tem graça eu dizer que vi ET’s. Porque espantoso mesmo é não ver”, diverte-se a influenciadora.

As trilhas são bem sinalizadas conduzem facilmente aos incríveis recantos e quedas d’água da região. Foto: Arquivo pessoal/Divulgação

Toda a área é cortada por trilhas que levam às muitas cachoeiras – dos Macaquinhos, das Loquinhas, dos Couros, do Vale da Lua, dos Cristais, entre outras tantas -, cercadas por paredões rochosos. O cenário é envolto de um silêncio mágico, que acalma. Só quebrado pelo canto dos pássaros que habitam a região ou pelo barulho intenso das quedas d’água. Para relaxar ainda mais, existem programas alternativos para meditação ou sessões de massagem. Mas tem também aventuras radicais, como tirolesa, rapel e saltos de bases em pedras a oito metros de altura para os poções cristalinos. Haja emoção!

Participar das cerimônias em aldeia indígena é uma experiência indescritível, para vivenciar a cultura, hábitos e costumes da tribo. Foto: Arquivo pessoal/Divulgação

Uma noite numa aldeia indígena, com direito a xamã e belos cantos, e muito aprendizado sob a luz da fogueira e de um céu infinitamente estrelado também entraram no roteiro com o propósito de reconexão: “Foi, na verdade, isso o que me levou para o interior do cerrado. Escutar o chamado, me encontrar e continuar a jornada do meu intuito. Essa viagem louca, e bota louca nisso, foi só o início”.

E a Chapada dos Veadeiros é bem isso. Muitos banhos de cachoeira para ‘lavar a alma’ e surpresas emocionantes, como um banquinho no meio da imensidão árida interferindo na paisagem absolutamente seca. Convidando, talvez, a um momento de reflexão sobre o tudo, ou o nada.

São muitos os poções e cachoeiras que convidam a uma reflexão antes de, literalmente, “lavar a alma”! Foto: Arquivo pessoal/Divulgação

A energia, entretanto, é pulsante. “Traz uma paz indescritível, nos recoloca de volta com os pés no chão, da forma mais literal ou mesmo poética”, revela Polli Olivo, confessando que isso é exatamente o que tem a ver com o seu estilo de vida. Apesar de estar completamente envolta na roda viva do universo digital, ela conserva o seu lado mais despojado, que a faz se sentir inteira e intensa. O que mais gostou? Talvez a Cachoeira das Loquinhas, onde – em meio a gargalhadas – ela diz que se achou. Brincadeiras à parte, Polli confessa que não consegue, de verdade, explicar tudo o que sentiu. “É enxergar a alma, de uma maneira muito particular”, finaliza, enquanto recomenda o roteiro a todos os que quiserem respirar a própria essência.

Mundo DVA

Mais que um Portal de Notícias, somos contadores de boas histórias!
Bem-vindo ao mundo DVA.